ANDREAS KRIEGER
O ARREMESSO MAIS LONGE DE HEIDI

VER O FILME




EU QUERIA SER A PRIMEIRA MULHER DA ALEMANHA ORIENTAL
A DESAFIAR OS 23 METROS. EU QUERIA ARREMESSAR MAIS LONGE…«

ACONTECIMENTOS ESPECIAIS NA VIDA DE ANDREAS

1979

Com 14 anos, Heidi é designada para a Escola Esportiva para Crianças e Jovens (Kinder- und Jugendsportschule – KJS). Lá começa sua carreira na Alemanha Oriental como esportista. Depois de ter conquistado o desempenho esperado, ela é levada ao SC Dynamo Berlin, no Fórum de Berlim, e permanece sob o mais rígido treinamento para atletas olímpicos.

1981

Além dos comprimidos de vitaminas que já recebia, Heidi passa a receber também de seu treinador as primeiras substâncias de doping – suas “pílulas azuis”. Ela não sabia o nome delas. Além disto, elas não estavam mais em sua embalagem original; o treinador de Heidi as dava como “substâncias que a ajudariam”.

1986

Heidi Krieger vence a medalha de ouro em arremesso de peso no campeonato europeu de atletismo em Stuttgart. A esfera voa a uma distância de 21,10 metros!


1989

O Muro de Berlim cai, a Guerra Fria termina e Heidi continua sendo uma atleta de alto desempenho. Mas dois anos depois, com 26 anos, ela encerra sua carreira de esportista profissional, pois seu corpo está debilitado pelo treinamento combinado às substâncias de doping.



1995

A virada na vida de Heidi: Um amigo e colega a explica o que estava acontecendo com ela. Ele disse a Heidi a palavra que há muito tempo ela estava procurando: Transexualidade.


1998

Depois de três anos, Heidi torna-se finalmente Andreas Krieger. A decisão de passar a viver como homem, salvou sua vida.


2000

Somente com os processos de doping instaurados em 2000 contra os altos dirigentes esportivos da Alemanha Oriental, Andreas se deu conta da triste realidade de ter recebido substâncias de doping por vários anos.


2002

Andreas casa-se com uma mulher que conheceu dois anos antes, durante os processos de doping: “Ter conhecido esta mulher foi como ganhar na Mega Sena. Me sinto muito abençoado.”

PARTES DO FILME SOBRE TEMAS ESPECÍFICOS

Condições histórico-políticas
da Alemanha Oriental

A política de incentivo ao
esporte da Alemanha Oriental

O papel do
treinador

A decisão
para a vida

A situação de
Andreas Krieger hoje

PARA O ESTADO, OS VALORES COLETIVOS
VALIAM MAIS DO QUE OS INDIVIDUAIS.

E AS METAS PARTIDÁRIAS SOBREPUNHAM-SE
MUITAS VEZES ÀS REALIZAÇÕES PESSOAIS.«

INFORMAÇÕES DE CONTEXTO


Competições femininas de arremesso de peso: No fim da década de 1980, a meta dos 23 metros torna-se mais próxima

No arremesso de peso, uma esfera de metal deve ser lançada o mais longe possível através de uma expansão explosiva da musculatura do braço. As pedras utilizadas nas competições de arremesso da Antiguidade foram, com o tempo, substituídas por balas de canhão,
até a definição das dimensões e do peso das esferas em 1860. O primeiro recorde mundial oficial para mulheres foi 10,15 metros, registrado em 1924. Somente em 1977, a marca decisiva dos 22 metros foi alcançada. Dez anos depois, em 1987, Natalya Lisovskaya quebra o recorde
mundial anterior ao arremessar a esfera a 22,63 metros em Moscou. Desde então, nenhuma mulher conseguiu superar o recorde mundial oficial e uma distância de 23 metros ainda não foi oficialmente alcançada.

Stuttgart 1986: O primeiro campeonato europeu de atletismo na Alemanha

O clima no estádio do Neckar durante o campeonato europeu de 1986 em Stuttgart era grandioso e contagiante. Mesmo os atletas que não estavam entre os ganhadores receberam grande reconhecimento dos fãs. Entre os
medalhistas, em primeiro lugar estavam os atletas da antiga União Soviética – seguidos de perto pelos atletas da Alemanha Oriental, que chegaram a obter o mesmo número de medalhas de ouro do que os russos. No período entre 1972 e
medalhistas, em primeiro lugar estavam os atletas da antiga União Soviética – seguidos de perto pelos atletas da Alemanha Oriental, que chegaram a obter o mesmo número de medalhas de ouro do que os russos. No período entre 1972 e

A política de incentivo aos talentos do esporte na Alemanha Oriental

A formação de atletas campeões em esportes de alto desempenho na Alemanha Oriental era dividida em níveis (níveis de incentivo I-III) e incluía formações de treinamento sistemáticas desde a infância até a idade adulta. Para a busca de talentos e o nível de incentivo I, havia centros de treinamento em que, depois de um ano, o desempenho das crianças treinadas era verificado. Se as crianças e jovens atingissem as metas de desempenho, eles eram “designados” para uma Escola Esportiva para Crianças
e Jovens (Kinder- und Jugendsportschule – KJS). As KJS constituíam a transição decisiva entre a busca de talentos e os centros de alto desempenho profissionais e especializados dos clubes esportivos, que se encontravam no topo da pirâmide de desempenho no esporte da Alemanha Oriental. Somente os mais capazes, talentosos e melhores atletas do sistema de incentivo ao esporte da Alemanha Oriental eram designados de uma KJS para um clube esportivo, como por exemplo o SC Dynamo Berlin.

O Plano Estatal 14.25

Na Alemanha Oriental, o sucesso no esporte era uma meta definida pelo Estado e utilizado como instrumento para a comprovação da suposta superioridade do Socialismo. Neste contexto, o Comitê Central do Partido Socialista Unificado da Alemanha (SED) elaborou o plano Estatal 14.25. TPor trás deste plano, havia a
formação de um abrangente sistema, tanto para a organização e o incentivo de uso de substâncias de doping, quanto para a pesquisa e o desenvolvimento destas substâncias. Desde 1974, o Plano Estatal 14.25 foi utilizado de forma hierárquica, começando pelo Comitê Central do Partido Socialista Unificado
da Alemanha (SED), passando pelo Comitê Nacional Olímpico e pelo Serviço de Medicina e Ciência do Esporte, até os treinadores, de modo que atletas menores de idade recebessem substâncias de doping para ingestão, geralmente em forma de comprimidos.

Eu tinha 1.85 anos e pesava 69 quilos - 2 anos depois
eu pesava 105 quilos. Massa muscular ativa.

SITUAÇÃO ATUAL DAS VÍTIMAS DOPANTES

OUTRAS CINCO

HISTÓRIAS DE VIDA



CONTINUE LENDO

CONTADO EM PRIMEIRA PESSOA – DIRIGIDO TAMBÉM A SI


Alwin J. Wagner, várias vezes campeão de atletismo no lançamento do disco

Aos 26 anos ele ainda se encontrava livre do doping. Apesar de Alwin Wagner ser então considerado um grande talento no lançamento do disco, e de cumprir as normas internacionais das competições, ele nunca foi nomeado pela Federação de Atletismo Alemã (DLV). Alegadamente, ele não possuiria nenhumas hipóteses nas fases finais das competições.

Quando o contrato do seu antigo treinador não foi prolongado na sequência de insucesso desportivo, e quando um antigo adversário ocupou o lugar deste, Alwin foi seduzido pelas promessas dos anabolizantes.

O novo treinador prometeu-lhe que as suas performances iriam aumentar 10% e que o nome dele iria ser mencionado frequentemente nos media. Alwin experimentou os comprimidos que lhe eram disponibilizados sem o folheto informativo, e as prometidas promessas tiveram lugar. Com as competições e com outros rendimentos complementares, Alwin ganhava quase cinco vezes mais do que um comissário da polícia. Nunca abordaram a temática dos riscos, nem nunca informaram acerca dos efeitos secundários.

UPara poder estar ao nível dos melhores lançadores mundiais, Alwin continuou a

engolir comprimidos, tendo mesmo deixado que o injetassem, sem que soubesse qual o principio ativo que lhe estava a ser administrado.

Alguns anos depois, Wagner fez uma tentativa para revelar ao mundo os métodos da DLV, mas não surgiu qualquer reação.

Em 1981, Alwin Wagner tornou-se pela primeira vez campeão alemão do lançamento do disco, e dirigiu-se à imprensa. Todavia, nem os políticos, nem os serviços públicos reagiram.

Thomas Götze, antigo atleta nas disciplinas de lançamento

Enquanto criança, Thomas Götze vibrava com a natação, com o futebol, e também com o xadrez. No entanto, permaneceu no atletismo, disciplina fomentada pelo sistema desportivo da RDA. Entre 1976–78, Götze treinou as disciplinas de lançamento, sendo considerado um talento em ascensão de uma escola desporto de Dresden especializada em crianças e jovens. Sem que ele tivesse consciência disso, nessa escola o treinador dele administrou-lhe os denominados “meios auxiliares”, produtos esses também denominados vitaminas.

Por exemplo, podemos salientar que as performances dele no lançamento do martelo aumentavam todos os anos uma distância total de 15 metros.
Por conseguinte, a capacidade atlética do Thomas era muito prometedora, até ao momento em que surgiu uma prolongada lesão no ombro. Esta lesão fez com que fosse excluído de maneira impiedosa.

Hoje em dia, Götze padece de graves problemas de saúde derivados desse criminoso consumo de doping, promovido

pelos responsáveis do serviço estatal de doping da RDA.

Em colaboração com Andreas Krieger, e com outros antigos desportistas de alto nível, está agora empenhado na prevenção do doping.



Ute Krieger-Krause, antiga nadadora

Ute Winter nasceu um ano após a construção do muro. Aprende a andar aos cinco anos e em 1973 é aceite na escola de crianças e jovens de Magdeburg. Um sonho antigo. Depois das sete horas, ela nada uma distância inimaginável. Mais tarde – quando Ute Winter completa os onze anos – os copos com os comprimidos de „vitaminas “insinuam-se na borda da piscina. „ Eu sentia os olhares dos treinadores quando nós os engolíamos “. Entretanto, existia uma pressão constante. Ela torna-se cada vez melhor, os sucessos sucedem-se. Com 14 anos participa no campeonato regional; o grupo de treino dela consiste apenas em 4 raparigas.

Em 1977, é convocada para o grupo com aspirações olímpicas. Agora, além dos já conhecidos meios auxiliares, existem uns novos comprimidos azuis. O processo de treino é coadjuvado com um anabolizante. Os músculos dela crescem; os ombros, os braços e o pescoço tornam-se mais potentes. Ute passará a estranhar o seu próprio corpo. Ela começa a fazer dieta, mas em vez de emagrecer, continua a aumentar de peso.

As unidades de treino duríssimas, quase infindáveis, passam a ser intoleráveis para a Ute Krause. Ao fazer 16 anos, coloca finalmente um fim nesse processo.

Os Jogos Olímpicos já não a atraem.

„Em mim só existia silêncio “, Ute entra num beco sem saída, a bulimia passa a substituir o treino, tudo sempre acompanhado de depressões graves. Recebe tratamento nos serviços de psiquiatria. Necessitou de 20 anos para conseguir reconhecer que tinha a doença, para a poder mencionar e para poder viver com ela.

Casa com Andreas Krieger.

Heike Knechtel, antiga atleta de distância de meio-fundo

Heike Knechtel, nascida em1963, aos 13 anos passou a frequentar a escola de desporto para crianças e jovens (KJS) do clube desportivo SC DHfK Leipzig. Ela passa a ser atleta de meio-fundo. Mas, dois anos depois, já ela estava de fora do grupo. Daí ela pensar que não era uma vítima do doping.

Com o decorrer do tempo, Heike completa o mestrado em „Ciências Sociais e Educativas do Comportamento “. Todavia, o caminho dela é agreste. Heike Knechtel teve que ser operada várias vezes. Em 2003, vê-se confrontada com o diagnóstico de cancro da

mama. Só em agosto de 2014, quando é despedida do cargo de gestora de um centro de aconselhamento social devido a „ absoluta perda da capacidade de trabalho“ é que Heike passa a ter a noção clara de que é uma vítima da política de doping por constrangimento da RDA.

Knechtel lembra-se do treinador lhe dar esteroides anabolizantes por volta dos 13 – 15 anos. Também era necessário preencher tabelas acerca da toma dos denominados comprimidos de vitaminas. As doenças graves de Heike foram reconhecidas do ponto de vista clínico –

ela é uma reconhecida vítima do doping.

Knechtel é hoje em dia membro e agente de prevenção da DOH e.V. (Associação de Apoio a Vítimas de Doping).



Dagmar Kersten, antiga ginasta

Dagmar Kersten, nascida em 1970. Devido ao seu talento para a ginasta, foi descoberta para a modalidade e enviada para Berlim, para o „Internato Desportivo de Crianças e Jovens”. As suas potencialidades atléticas desenvolveram-se rapidamente, de modo que com 15 anos já participava nos campeonatos europeus e mundiais.

Devido aos treinos extremamente exigentes, e a produtos fortificantes, passou a sofrer de danos severos na coluna. Dagmar foi obrigada a ficar um ano parada, já que não era de se excluir a existência de uma paraplegia.

Além disso, quando regressou à competição, feriu-se de um modo tão grave que lhe foi impossível participar no campeonato mundial de 1987.

De modo a participar nos Jogos Olímpicos de 1988, Dagmar foi sujeita a injeções, tanto por parte de treinadores, como por parte de médicos.

Em 1988, no seguimento de discussões com treinadores e funcionários, Dagmar terminou a sua carreira desportiva.

Só no decorrer dos „processos dos nadadores“, e no seguimento de um

depoimento à polícia acerca da utilização do doping, é que Dagmar, após uma investigação séria a título pessoal, ficou consciente que elas eram dopadas de um modo ´massivo durante a sua carreira desportiva.

Hoje em dia, Dagmar gere uma escola de artes marciais e de promoção do movimento, tornando as crianças mais fortes, e está envolvida na prevenção do doping e da violência.

Andreas Krieger, antigo lançador alemão do peso

Andreas Krieger nasceu em 1965 com o nome Heidi Krieger. Aos 14 anos, inicia a carreira dela no desporto de alto rendimento. Meros dois anos depois, já Heidi também recebe das mãos do seu treinador os seus comprimidos de vitaminas, os denominados meios „auxiliares“. Ela confiava nele.

A força de Heidi aumenta e as suas performances melhoram constantemente. Em 1986 Heidi ganha a medalha de ouro no peso durante os Campeonatos Europeus de Atletismo de Estugarda. A esfera voa uma distância de 21,10 metros.

Com 26 anos, Heidi finaliza a sua carreira no desporto de alto rendimento, já que o corpo dela está arruinado devido ao treino alicerçado no doping.

Em 1997, Heidi Krieger passa finalmente a ser Andreas Krieger. A decisão de passar o resto da sua vida na qualidade de homem, salvou-lhe a vida.


A suposta superioridade do socialismo
sobre o capitalismo deve
se refletir sobretudo
em sucessos esportivos.

QUEREMOS SUA OPINIÃO

Quais critérios você usa para avaliar atletas em um grande evento esportivo?

Quantos recordes mundiais eles quebraram

95 pessoas

Se eles atingiram seus desempenhos máximos pessoais

231 pessoas

O quanto eles foram honestos ao competir

297 pessoas

Ver resultado Voltar para Votar

Como você avalia a igualdade de chances nas competições esportivas?

Não há
igualdade de chances

igualdade de chances

não satisfatório

(1 - 2)

195 pessoas

deficiente

(3 - 4)

209 pessoas

suficientemente

(5 - 6)

107 pessoas

bom

(7 - 8)

43 pessoas

muito bem

(9 - 10)

22 pessoas

Ver resultado Voltar para Votar